Número de mortes de policiais e mortes de civis em intervenção policial têm relação direta, diz estudo da FGV

Gilvan Silva
Foto : Reprodução

Um estudo da Fundação Getúlio Vargas (FGV) mostrou que há uma relação direta entre a morte dos policiais e a letalidade policial, que é a morte de civis em decorrência de intervenção policial. Segundo esta análise, é possível dizer que o número de mortes de civis em ação policial influencia o número de assassinatos dos agentes de segurança.

Entre as regiões do país, o Sudeste é a que registra o maior número nesses dois casos. Os estados que mais registraram mortes de civis devido a ações policiais em 2017 foram o Rio de Janeiro, com 1,1 mil; São Paulo, com 940; e Bahia, com 668.

Os estados que registraram mais policiais mortos em 2017 foram o Rio de Janeiro, com 104 casos; São Paulo, com 60; e Pará, com 37. O professor de direito Breno Melaranho afirmou que é preciso investir em política preventiva.

“Este estudo comprova uma triste realidade. Quanto maior a letalidade decorrentes de intervenção policial, maior é a letalidade do policial também. As intervenções policiais são necessárias na maior parte das vezes, mas não se pode ficar única e exclusivamente na política repressiva. Nós precisamos de um maior investimento na política preventiva”, afirmou Melaranho.

“Quando o estado relega esses bolsões de miséria, deixa de atuar e ocupar essas áreas, isso tem consequências por toda a cidade. A experiência das UPPs mostrou que é necessária a polícia para reocupar aquela área, mas só a polícia não basta”, completou o professor.

Por GloboNews

Compartilhar

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.