Humberto Costa se tornou mais um enrosco para a relação entre PT e PSB

PT anunciou pré-candidatura de Humberto Costa ao governo de Pernambuco para ampliar poder de negociação, o que enfureceu o presidente do PSB

Por Jornal Metrópoles
Foto/ Reprodução

direção do PSB não engoliu o anúncio de que o senador Humberto Costa será o pré-candidato do PT ao governo de Pernambuco. A decisão, divulgada em 19 de dezembro e chancelada por Lula, tem como objetivo ampliar o poder de negociação dos petistas no estado que é considerado a joia da coroa para o PSB.

As imposições que o PSB fez para transformar Geraldo Alckmin no vice de Lula levaram o PT a se armar nos estados-chave para os socialistas. Lula entende que a pré-candidatura de Humberto Costa envia o sinal de que o PT precisa ser ouvido nas costuras estaduais e não aceitará de olhos fechados as condições apresentadas pelo PSB.

O cenário em Pernambuco é semelhante à situação que o PT criou no Espírito Santo. O PSB cobra que os petistas fiquem neutros na disputa estadual, o que beneficiaria a reeleição de Renato Casagrande. Lula, no entanto, filiou Fabiano Contarato para fazer sombra aos planos dos socialistas. O senador adquiriu bom capital político com as participações na CPI da Pandemia.

A estratégia de embate com o PSB é contestada por alguns petistas que participam da estruturação do partido para as eleições nacionais, mas ninguém ousa confrontar a autoridade de Lula no PT.

Por enquanto, os partidos estão sem reuniões programadas para discutir as alianças políticas. Carlos Siqueira tirou férias até o dia 15 e só retomará as conversas após esse período. Lula também está de férias e descansa no litoral de São Paulo, segundo aliados.

Além da negociação para Alckmin se tornar vice de Lula, os partidos articulam a formação de uma federação. Se a parceria for confirmada, PT e PSB terão de caminhar juntos até a eleição de 2026.

Compartilhar

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.