Skip to main content

Oposição caminha para abraçar tese das múltiplas candidaturas em 22

Coluna FalaPE

Por Fernanda Maria, Cientista Política.

Derrotada pela Frente Popular nas duas últimas eleições estaduais com uma candidatura única, a oposição em Pernambuco caminha para o entendimento de que deve lançar múltiplas candidaturas para fazer frente a Geraldo Júlio, em 2022. O Fala PE conversou com fontes do grupo e apurou que a estratégia pode ser adotada. Com isso, hoje a tendência é de que se tenha mais de um palanque no bloco para enfrentar o PSB.

Nesse cenário, portanto, que já não é novidade, se apresentam três prefeitos de cidades-polo das três regiões do Estado com mais densidade eleitoral: Metropolitana, Agreste Central e Sertão do São Francisco. A avaliação é que candidaturas de Anderson Ferreira (Jaboatão dos Guararapes), Raquel Lyra (Caruaru) e Miguel Coelho (Petrolina) vão, com certeza, enfraquecer a votação do ex-prefeito do Recife em suas regiões, minando a poderosa máquina de voto do PSB.

Se a estratégia se concretizará, só o tempo irá dizer. O fato é que Miguel e Raquel, muito mais do que Anderson, têm como vitrine para mostrar bons governos, nas suas respectivas cidades, e êxito nas urnas consagrado em 2020. Além disso, têm, ao seu redor, forças políticas representativas e a facilidade de construir alianças, agregando diferentes atores aos seus palanques.

Anderson Ferreira, por outro lado, além de ter um governo mal avaliado, só foi reeleito porque seu adversário local, o ex-vereador Daniel Alves, dispunha de poucos recursos e pouca estrutura de campanha. No campo político, Anderson e sua família são conhecidos por coçar para dentro. Seu projeto é familiar, são incapazes de fazer alianças duradouras e não tem um projeto para o Estado.

APOIOS – Em se tratando de apoios, Miguel Coelho tem consigo o pai, a maior raposa política de Pernambuco, o senador Fernando Bezerra Coelho, um grande articulador. Também tem um corpo de prefeitos e lideranças policiais ao seu lado, doidos para mudar o eixo de poder no Estado, do Grande Recife para o Sertão. O prefeito de Petrolina contará com o dinheiro do Governo Federal e os votos do presidente Jair Bolsonaro, de quem seu pai é aliado e um dos generais. Nessa brincadeira, Miguel pode contabilizar cerca de 30% já no primeiro turno da eleição.

APOIOS 2 – Já Raquel Lyra, por sua vez, conta com o apoio do ex-senador Armando Monteiro Neto, que, mesmo perdendo as duas últimas eleições, é uma liderança no Estado. Raquel tem também na sua conta o deputado federal Daniel Coelho, que já endossou publicamente sua preferência pela prefeita de Caruaru. Ao contrário de Miguel, que não tem a totalidade do MDB com ele, nem a garantia de apoio da legenda, Raquel tem o PSDB por inteiro no seu projeto.

PREFERENCIAL – Uma coisa é fato: independente de quem seja candidato na oposição, o postulante começou seu caminho visitando o prefeito do Cabo de Santo Agostinho, Keko do Armazém. O gestor foi procurado pelos três pré-candidatos oposicionistas nas suas andanças. Isso mostra que Keko terá um papel importante no pleito de 2022, tanto pela sua liderança, quanto pelo seu potencial de votos na Metropolitana.

CESTAS – Atenta às dificuldades econômicas impostas pela pandemia e pelas medidas restritivas, a Prefeitura de Sirinhaém, por meio da Secretaria de Assistência Social, realizou a distribuição de 300 cestas agroecológicas para a população de Sirinhaém. A ação foi realizada no distrito de Santo Amaro e contou com a parceria do CONAB e da ASCONSAJ. Os produtos das cestas foram captados junto à agricultura familiar do município e à produção local de polpas de fruta. Segundo a prefeita Camila Machado, a medida busca aliviar as famílias sirinhaenses dos prejuízos causados pela pandemia do novo coronavírus.

O povo quer saber: Como as outras forças da oposição vão caminhar em 2022?

 

Compartilhar Noticia:

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *