Bolsonaro diz que não será arrastado para o ‘campo de batalha’ com Maia

Presidente disse que evitará comentar atos do presidente da Câmara, Rodrigo Maia, e ressaltou que os poderes são ‘independentes’

Santiago — Em meio à troca de farpas com Rodrigo Maia (DEM-RJ), o presidente da República, Jair Bolsonaro, afirmou neste sábado (23/3) que não será levado para o “campo de batalha” com o presidente da Câmara. O chefe de Estado ressaltou que os poderes são “independentes” e que só responderá pelos atos do Executivo. “Isso chama-se democracia. Não queiram me arrastar para um campo de batalha que não é o meu”, disse.
No Chile desde a última quinta-feira (21/3), Bolsonaro declarou que o compromisso do Planalto em enviar o pacote da reforma da Previdência já foi cumprido. Agora, a responsabilidade do Congresso é “regimental”, de despachar o projeto e fazê-lo andar dentro da Câmara dos Deputados. “Redes sociais são a imprensa livre que eu tenho, com todo o respeito a algumas exceções no meio de vocês [imprensa]. Agora, a bola está com ele (Maia), não está comigo”, declarou o presidente a jornalistas que o acompanham na viagem à capital chilena.
Com a relação estremecida entre os poderes, a tramitação da Proposta de Emenda à Constituição (PEC) da Previdência pode se arrastar por mais tempo que o previsto pela equipe econômica do governo. Isso porque quem pauta as sessões no Plenário é o presidente da Casa. Maia, até o momento, tem afirmado que não estará à frente da articulação política pela viabilidade da reforma, o que pode atrasar a tramitação.
O texto da reforma geral está na Comissão de Constituição e Justiça (CCJ) desde o último 13 de março. Em um acordo com os líderes partidários, ficou decidido que só começariam a análise após o envio do projeto da reforma dos militares, que chegou à Câmara no último dia 20 deste mês. Entretanto, o teor da proposta desagradou até parlamentares do PSL, sigla do presidente, e, até o momento, o presidente da CCJ, Felipe Francischini (PSL-PR), não anunciou a relatoria.

Desavenças

Mesmo depois de algumas declarações de Maia explicando o porquê de abandonar a articulação entre o Executivo e o Legislativo, Bolsonaro segue falando que não entende o comportamento “agressivo” de Maia com ele. Neste sábado, mais cedo, chegou a sugerir que o problema da articulação está no fato de “alguns não quererem largar a velha política”.

O presidente da Câmara ficou ofendido com os ataques que sofreu nas redes sociais pelo filho do presidente brasileiro, o vereador Carlos Bolsonaro, que atribuiu a ele a responsabilidade de ainda fazer “a velha política”. “Nunca falei nada contra o Rodrigo Maia, muito pelo contrário, estou achando que está tendo um grande mal entendido”, complementou.

Fonte: Correios Brasiliense
Compartilhar

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *